Telefones: 11.4411.4057 11.4411.4058 11. 9628.4674

Formigas Urbanas

Generalidades

Existem de 18.000 a 20.000 espécies de formigas no mundo, sendo que mais de 11.000 foram estudadas e descritas. Atuam como predadoras de pragas e outras formigas.

No Brasil ocorrem aproximadamente 2.000 espécies, das quais somente 30 são consideradas pragas urbanas, causando danos estruturais, dermatites, danos a equipamentos elétricos e eletrônicos e principalmente disseminando doenças patogênicas (infecção hospitalar).

Entre as espécies economicamente importantes, sem dúvida temos:

lava pés (Solenopsis spp.), causando danos a agricultura e a saúde pública;
formiga carpinteira (Camponotus spp.), causando danos a residências, em peças de madeira e em equipamentos eletroeletrônicos;
formiga faraó (Monomorium pharaonis), largamente espalhada pelo transporte acidental e apresentando alto risco de transmissão de patógenos devido a velocidade de crescimento da colônia em determinada área;
formiga acrobática (Crematogaster spp), constróem o ninho diretamente no solo ou sob pedras e outros objetos, quando perturbadas podem morder e picar dolorosamente;
formiga fantasma (Tapinoma melanocephalum), comumente encontrada em árvores doentes, madeiras em decomposição e tendo como principal característica esta espécie o hábito de se movimentar em fileiras perfeitas, preferencialmente infestando alimento rico em açúcar.
Também podemos citar como espécies importantes: formiga cabeçuda (Pheidole spp) e pequena formiga de fogo (Wasmannia auropunctata).

As formigas apresentam comportamento social e necessitam do comportamento do homem para serem dispersadas por longas distâncias, encontrar locais para construção de ninhos e obter farta alimentação.
 
Biologia e Hábitos

Vivem em colônias constituídas de indivíduos adultos (rainha e operárias) e crias que compreendem ovos, larvas e pupas. No processo de manutenção da colônia, as operárias adultas exercem atividades externas ao ninho, tais como coleta de alimento e água. No máximo 30% da população adulta atua nessas atividades. Os indivíduos que são vistos representam de 5 a 10% do total da colônia.

Na maioria das espécies os machos conservam as asas durante toda a vida e as fêmeas somente até o acasalamento. Seu corpo é dividido em três partes (cabeça, mesossoma e gaster), sendo a característica mais importante a forma do pedúnculo abdominal. Os insetos estéreis são ápteros. Os machos tem um período de vida menor que as rainhas e geralmente morrem após se acasalarem. O maior número de indivíduos da colônia é formado por fêmeas estéreis (operárias).

A grande diversidade de espécies permitem que construam seus ninhos (formigueiros) em qualquer tipo de lugar, mas a grande maioria constrói seus ninhos no chão, dificultando a localização devido ao seu tamanho reduzido.

Outro fator biológico que colabora para a infestação do ambiente é a fragmentação da colônia, onde as operárias partem com rainhas fecundadas e cria para novos locais constituindo uma nova colônia. Isto, graças a perda do vôo nupcial, a cópula ocorre dentro do ninho dividindo-se em um ou mais ninhos originando novas colônias. Necessariamente não ocorre o vôo nupcial, sendo comum a poligamia (várias rainhas na mesma colônia produzindo ovos).

Os ovos depositados pela rainha são, de coloração branco e leitosa carregados pelas operarias e depositados em locais específicos dentro do ninho, enquanto as larvas são ápodes (ausência de pés). As puas são o ultimo estádio antes da fase adulta sofrendo metamorfose.
 
Controle

Apontada como a praga de maior dificuldade de controle da atualidade devido a sua bioecologia. O trabalho de inspeção deve ser orientado para o período compreendido entre 12 e 20 horas, preferencialmente durante a noite, pois, algumas espécies do gênero Camponotus forrageiam neste período. Dentro do manejo integrado de pragas (MIP) a ser adotado, o tratamento químico deve observar a característica de fragmentação das colônias. Inseticidas nas formulações concentrado emulsionável raramente conduz a resultados positivos pois, estimulam a divisão das colônias e consequentemente aumento da infestação da área, sendo melhor indicado a consulta de um profissional qualificado.

Fonte: Bayer Environmental Science